quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

O SACANA DO MEU CUNHADO, SACANEOU MEU CUZINHO.

Eu me considero uma pervertida, mas jamais imaginaria que o namorado da minha irmã caçula, também fosse um filho de uma puta sacana, quem não o conhece, acha que ele não passa de play-boy, riquinho e mimado, confesso que o desgraçado é lindo, e tem um corpo de dar inveja a qualquer um, mas quem o conhece, como eu o conheci, sabe que ele é pervertido e extremamente depravado; vou relatar um fato que se sucedeu há muitos anos atrás, quando ele era apenas o namorado da minha maninha, confesso que meu corpo se estremeceu toda quando o vi pela primeira vez na sala de nossa insalubre casa, ele estava sentado junto da minha irmã, roçando suas mãos pelos seios empinados da vadia, tenho que concordar que senti uma pontada de inveja da minha irmazinha caçula, afinal de contas era sempre ela quem arrumava os rapazes mais lindos e ricos para namorar, eu como sempre tinha que me contentar com as sobras; me critiquem quem nunca teve inveja nesta vida? quem nunca sentiu ciumes? quem nunca desejou algo melhor, pelo menos uma vez nesta desprezível e miseravel vida? a verdade era que a vadiazinha era e sempre foi linda, com seus cabelos loiros, grandes e encaracolados, sempre bem cuidados, combinavam perfeitamente com seu rosto de traços finos e delicados, que só eram superados pelo seu corpo perfeitamente escultural, na realidade ela não se parecia em nada comigo ou com nossa irmã mais velha, a única coisa que tínhamos em comum era a vadia de nossa mãe e é claro o rabo avantajado de família.




Minha irmazinha se chama ANAIR da ... Mas naquele momento ela não passava de uma vadia, vagabunda, filha de uma puta, foi com estes pensamentos medonhos e com uma inveja insana que me tranquei dentro de nosso quarto, enquanto a safada estava sendo apalpada e alisada por aquele gato no sofá de nossa sala; naquela noite, decidi que não queria mais ficar com restos e nem sobras, queria participar do banquete como todo mundo faz, e não me importava o que teria que fazer para conseguir meu lugar ao sol, foi então que resolvi que já era hora de ir atraz dos meus objetivos, e com certeza iria começar por tomar o desgraçado da "santinha" da minha maninha caçula.






Logo que o play-boy foi embora, corri para sala e fingindo estar interessada, fui logo perguntando quem era o gato? e bobinha como uma mula, minha maninha me colocou a par de tudo, me contou tudo sobre o fulano, e o que ela fez para agarrar o safado; e sem perder tempo, fui logo elaborando uma forma de conhecer melhor o filhinho de papai, e mostrar a ele que havia algo muito melhor que a mosca morta da minha maninha. Se passarão algumas semanas e minha irmã viajou para casa de nossa mãe, mas seu namorado não pôde ir por causa da faculdade, na época ele era universitário, foi então que peguei o numero de seu telefone e liguei para o filho da mãe, perguntando se ele poderia vir em minha casa naquela noite, pois eu precisava conversar com alguém, e se ele não se importaria de passar um tempo comigo para que eu pudesse desabafar um pouco... O viado ficou todo empolgado, notei pela sua voz a euforia por traz de sua conversa melosa e complascente, ele sabia que eu estava sozinha e o quanto eu era sapeca, já que quando ele estava com minha maninha, eu fazia questão de usar mini-saias e shorts curtíssimos, só para me mostrar e despertar o desejo do desgraçado; Não demorou muito para o desgraçado aparecer, ele mal esperou a noite cair e lá já estava ele, lindo, cheiroso e extremamente charmoso em sua roupa cara e de marca famosa, pedi para que ele entrasse e se sentasse no sofa, pois eu tinha acabado de tomar banho e ainda estava me arrumando, o viado estava com o sorriso mais sacana do mundo, como se já soubesse o que iria acontecer naquela noite... Eu havia tomado um longo banho e me depilada toda, estava com a bucetinha totalmente raspada, e profundamente cheirosa, devido ao sabonete líquido e de higiene interna, usado para lavar e perfumar a bucetinha de uma garota; coloquei um fio-dental de cor branca, juntamente com um shortinho estampado e uma blusinha transparente, que deixavam os bicos dos meus seios, transparecerem por sobre o fino tecido de algodão.






Ao voltar para sala, notei que o safado me comia com os olhos, sentei ao seu lado no sofá, e como quem não quer nada, perguntei o porque ele não quiz viajar com minha irmã? e com um sorriso sarcastico ele respondeu: Porque eu queria estar aqui com você! sorrimos e voltamos a jogar mais conversa fora, não demorou muito para ele começar a me elogiar, sempre me comparando com a puta da minha irmã, "você é mais cheirosa do que sua irmã, você tem um corpo mais desenvolvido do que sua irmã, você é mais"... Estava cansada de ouvir falar da minha irmã, e subitamente falei de forma imperativa: Você não consegue esquecer minha irmã mesmo estando aqui sozinho comigo? foi como se eu tivesse dado uma marretada no viado, e imediatamente ele contornou dizendo: Me desculpe, não foi esta a minha intensão, eu só estava querendo dizer que estou muito mais afim de você e com muito mais tesão, do que eu jamais senti pela sua maninhã... Agora sim eu havia ficado feliz, havia conseguido ludibriar o idiota, a ponto de faze-lo trocar uma vadia por outra, e sem pensar duas vezes perguntei: Se você esta tão interessado, porque continua ai parado, só me olhando? Só mesmo assim para o viadinho ter a iniciativa de se jogar sobre mim e colocar sua boca sobre a minha, num beijo desesperado e forte.






Voces não imaginão que boca deliciosa aquela, foi uma das melhores e mais gostosa saliva, lingua e hálito que já experimentei, eu chupava seus lábios com sede e fome, queria ser devorada, deflorada, comida por aquele gostoso da cabeça aos pés, meu tesão era tanto, que quando dei por mim, estava completamente nua, apenas com meu fio-dental na altura dos joelhos, o desgraçado já havia retirado minha blusa e short, e se encontrava neste momento com seus dedos dentro de mim, e seus dentes cravados em meus seios, chupando-os de forma violenta e extremamente prazerosa, eu já havia tirado sua camisa e aberto sua calça, minhas mãos procuravam desesperadas pelo cacete daquele macho, forcei então sua roupa para baixo e retirei sua calça, deixando exposto um membro pequinininho e flacido, em meio a uma floresta de pelos pubianos, no inicio fiquei meio constrangida, pois esperava um homem muito bem dotado, tirando por base aquele corpo de Deus do Olimpo; foi então que me levantei colocando minha bucetinha no rumo de seu rosto, ao mesmo tempo em que me aproximei de seu pintinho e coloquei-o em minha boca, iniciando um delicioso boquete enquanto minhas mãos seguravam seu cacete punhetando-o de forma que, aos poucos seu membro começa a ganhar vida, vai ficando maior e mais grosso, mais duro e firme, até que o vejo completamente rijo, em toda sua plenitude, com mais ou menos 19 cm de pica, não era nada muito impresionante, afinal de contas eu já fui presenteada por homens com falos incrivelmente grandes e grossos, mais não custava nada mentir um pouco, e fingir surpresa com o tamanho de seu delgado cajado; abri um sorriso largo ao mesmo tempo em que elogiava o tamanho "enorme" de seu caralho, eu engolia sua pica por inteiro, colocando-o completamente em minha garganta, chupando e lambendo-o da cabeça a base, eu deixava-o completamente molhado e quanto mais eu salivava, mais o filho da mãe gostava; enquanto eu engolia todo seu membro, sua lingua buscava de forma desesperada, alcançar meu útero de tão profundo que o miseravel lambia e chupava minha xana, sentia seus dedos e sua lingua brigarem para entrar dentro de mim, podia sentir a força em que ele fazia para me sentir o mais profundo possível, ele colocava seus dedos dentro de mim, sem nenhum pudor nem respeito, abria toda minha carne sem compaixão, ao mesmo tempo em que balbuciava palavrões, chingando-me de tudo quanto era nome e me pedindo para sentar em seu caralho; retirei então seu cacete duro da minha boca e me virei novamente, desta vez colocando seu emperdigado membro de uma só vez em minha racha, cavalgava em seu cacete como uma verdadeira amazonas, levantava meu quadril e descia forte, enterrando todo seu membro em meu interior, suas mãos percorrião minha enorme bunda, abrindo minhas nadegas e massageando meu cuzinho rosado, que já piscava forte de tesão; enquanto eu subia e descia sobre seu cacete, fazia questão de juntar uma porção de saliva em minha boca e escarrava toda dentro da sua, o viado estava amando aquilo; e quanto mais forte eu cuspia em sua boca, mais ele amava, mais forte ele me comia, mais fundo seus dedos adentravam em meu cuzinho; notei que o viado estava prestes a gozar, pedi então para ele me foder forte por traz, implorando para ser enrabada por aquele "pausão" enorme; imediatamente ele retirou seu membro de dentro de mim, e me colocou de quatro sobre o sofa, e sem piedade, forçou aquela cabeçorra para dentro do meu anus, e com apenas duas ou tres estocadas, seu cajado já estava completamente enterrado em meu rabinho, ele me fodia com força e violência, e quanto mais perverso o filho da puta era, mais eu gemia e berrava de tesão, sentia ele retirar parte do seu mastro do meu cu e enfia-lo novamente de forma rápida e voraz, estava completamente esterica só de pensar que meu cunhado estava esfolando meu cuzinho, suplicava para que ele gozasse em meu cuzinho arregaçado, e sem demora começo a sentir os jatos de porra invadirem meu reto, os gemidos do meu cunhado eram fortes e altos, e quanto mais eu pedia para ele gozar, mais porra ele depositava em meu rego; permanecemos um bom tempo naquela possição, até que a ultima gota de semem fosse deixada em meu cu, e quando eu estava prestes a me levantar, ele pediu para que eu continuasse naquela possição, pois tinha uma surpresa para mim, foi então que comecei a sentir um jato de líquido muito quente e abundante invadir meu intestino, o desgraçado estava urinando dentro do meu cu, que delicia de sensação, havia tanta urina, que não demorou muito e meu intestino estava completamente tomado e inundado com sua seiva, e já não suportando mais tamanha quantidade de seu alcalino e insipido suco, seus liquidos começarão a descer pelas minhas nadegas e pernas em uma cascata forte de mijo e porra, Aiiiiii que sensação libertadora de prazer, o desgraçado havia gozado em meu cu, e como se não bastasse, ainda estava sacaneando com ele, inundando-o com sua urina quente e abundante; só depois de despejar todo seu suco em mim, foi que ele retirou seu falo já flacido e murcho de dentro do meu rabo, enquanto os últimos resquicios de seu sumo escorriam pelo meu corpo e se depositavam sobre o velho sofa.






Inicialmente, eu queria tomar o namorado da minha irmã, mas depois daquela noite, notei que não era aquilo que eu queria para mim, ele era bonito, mas não era completo, ele era sacana, mas não um sádico, ele era rico, mas não poderoso, afinal de contas, todos sabem que eu adoro uma sacanagem e principalmente uma perversão, mas sinceramente, fora o fato do meu cunhado ter urinado em meu cú, nada mais foi tão interessante a ponto de perder a amizade da minha maninha querida, por este motivo, decidimos guardar segredo sobre o ocorrido, e que manteria minha boca fechada, desde que, ele voltasse a sacanear me cuzinho novamente, a qualquer dia e hora que eu quiser.

2 comentários:

Landa Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nina-Khos disse...

aie viadinhooo....não dei pra nehum animalzinho ñ....tu pelo jeito ñ tem nada para fazer!Pessoas assim como você insignificantes,burros e ignorantes jamais seriam capaz de entender....BABACA!Vou parar de perder meu tempo com você....